Prazer, realidade e estabilidade

Compartilhando um pensamento psicanalítico...


Nas sociedades ocidentais, acreditamos que o sofrimento é o caminho para a elevação espiritual e associamos o prazer ao pecado que nos conduz ao inferno.

Essa crença é cultural e, ouso dizer, senão inspirada, suportada pelos dogmas das religiões prevalecentes nos últimos milênios nessas geografias.

Sigmund Freud (1856-1939) postulou o “princípio do prazer” segundo o qual nossas ações tenderiam a ser naturalmente pautadas pela busca de gratificação imediata.

Comer, copular e dormir são impulsos primitivos, registrados em nosso código genético para garantir a preservação da espécie e a perpetuação do próprio código (DNA).

Mas Freud também introduziu o conceito do “princípio da realidade”, ditado pelo instinto de autopreservação que recomenda o adiamento dessa satisfação e o abandono de alternativas “perigosas” para obtê-la. É o preço que pagamos por vivermos em bandos.

Fechner (1801-1867), menos conhecido pelo publico leigo, sugeriu o “princípio da estabilidade”, segundo o qual nossa mente procuraria caminhos para reduzir a excitação ou pelo menos impedir que ela aumente, considerando que um alto nível de excitação é percebido como desagradável por nosso aparelho mental.

A visão de Fechner, complementada pelos mecanismos descritos por Freud, explica nossa resistência a mudanças.

"Privamo-nos para mantermos a nossa integridade, poupamos a nossa saúde, a nossa capacidade de gozar a vida, as nossas emoções, guardamo-nos para alguma coisa sem sequer sabermos o que essa coisa é. E este hábito de reprimirmos constantemente as nossas pulsões naturais é que faz de nós seres tão refinados." - Freud

Mesmo neste momento em que começamos, coletivamente, a questionar os velhos paradigmas, experimentar novos caminhos e aceitar vivências prazerosas como vias de desenvolvimento pessoal, esse novo pensamento encontra firme resistência.

Cientificamente, a neurociência já comprovou que novas experiências, particularmente as mais sensorialmente intensas, geram novos caminhos sinápticos, que alteram e ampliam nossa percepção da realidade. Sofrimento ou prazer, tristeza ou alegria, desde que vividos com presença e intensidade, são transformadores.

Mas tudo que é novo excita e gera algum desconforto mental, que precisa ser superado para que possamos colher os benefícios da renovação.

Uma boa alternativa é partir em busca de vivências agradáveis como forma de introduzir o novo, facilitando a superação.

16 visualizações

© 2020 by Flávio Ferrari