A morte como conselheira

Atualizado: Ago 24

Encontrei essa ideia, da morte como conselheira, numa série de livros que fez muito sucesso na década de 70, que inicia com “A Erva do Diabo” (The Teachings of Don Juan: A Yaqui Way of Knowledge – 1968).

Nela o autor, o antropólogo peruano Carlos Castañeda, descreve seus encontros com o nagual Don Juan Matus, algo como um Xamã do intrigante sistema de crenças tolteca.

Quem teve a oportunidade de ler, reconhece que os primeiros livros do autor brasileiro Paulo Coelho receberam a inegável influência da sequência de Castañeda.

A ideia apresentada por Don Juan é a de que podemos morrer a qualquer instante e por qualquer razão, o que significa que podemos estar vivendo nossos últimos instantes neste exato momento.

Diante dessa constatação, ele pede que avaliemos nossas atitudes. O que você teria feito na última semana se soubesse que iria morrer hoje? E o que você está fazendo agora, merece ser lembrado como seu último ato em vida?

"O que você faria em seu último minuto?"

Deste questionamento, resulta outro conceito mencionado por Don Juan, o da impecabilidade.

Se cada instante nosso pode ser derradeiro, e se cada ato nosso pode ser o último, não temos outra alternativa senão a de fazer o melhor que pudermos a cada instante, ou seja, viver impecavelmente.

A consciência da finitude pode ser assustadora, angustiante ou reconfortante. Mas, independentemente da forma pela qual a encaramos, a finitude é real e, quase sempre, imprevisível.

Ela assusta por nos colocar diante do desconhecido. Angustia porque nos convoca a pensar no significado de nossa jornada. Reconforta porque representa o fim da luta diária pela sobrevivência.

Mas Don Juan nos convida a olhar para a morte de outra forma, como um chamado para viver intensamente todos os momentos, para conferir significado a cada gesto.

A ideia pode parecer exaustiva e inviável à primeira vista. Mas quando nos acostumamos a viver aqui e agora com intensidade, os momentos desprovidos de significado parecem vazios, porque são, literalmente, insignificantes.

E quando colecionamos momentos insignificantes, a vida parece estar sendo desperdiçada, sem histórias interessantes a serem contadas.

Não costumamos pensar nisso quando somos jovens, e a morte parece distante.

Entretanto, na medida em que avançamos na idade, nos damos conta de nossa finitude. E, em algum momento, dirigiremos um olhar crítico ao nosso passado.

Quem viveu impecavelmente, com intensidade, terá uma confortável sensação de realização.

Ao contrário, quem passou pela vida sem se dar conta de que ela é finita, ausente de seus momentos, terá a impressão de que foi curta e de que a morte é injusta.

Mas não precisamos esperar que a morte se aproxime para fazer essa avaliação.

Que tal seguirmos a orientação de Don Juan e pensarmos nisso agora?

63 visualizações

© 2020 by Flávio Ferrari